1 de mar de 2011

O Amor de Deus


Como eu escrevi no último post, eu cresci sem um pai “carnal”, ou seja, eu fui criada apenas pela minha mãe, e claro, pelos meus parentes, que nos ajudaram muito.


Se eu falar que foi uma boa experiência crescer sem um pai “carnal”, eu estaria mentindo. Quem cresceu com um pai amoroso dentro de seu lar, com certeza, não consegue se imaginar sem o seu “super-herói”.

O dia dos pais era uma tortura. Na escola, eu via os pais de minha amigas, irem na escola – apesar de terem trabalhado o dia inteiro – só para ver suas filhas se apresentando, e ganhar um presentinho que sempre fazíamos nesta data. Eu me lembro de quando tinha seis anos, e minha mãe foi na escola no dia dos pais. Eu a abracei com toda força, e chorei, chorei...
Eu passei pela mesma situação muitas vezes, e como você pode ver, não era uma situação agradável para mim.


Sete anos depois, eu entrei para o Força Jovem – um grande amor da minha vida – e lá, sempre que orávamos, a líder dizia: “Meu Pai...”, e puxa vida, existe pai melhor do que o Senhor Jesus? Foi quando eu comecei a buscar pelo meu Pai, eu adquiri o hábito de chamá-Lo de “Meu Pai”, e clamava com todas as minhas forças, para que eu pudesse amá-Lo como meu Pai e que Ele me tratasse como Sua filha.


Hoje eu me lembro das orações que pedi a Deus para ser Sua filha, e sentia Ele sorrindo para mim! Não existe experiência melhor do que ser tratada como filha de Deus.

“Honra teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias” Bom, já que sou filha de Deus, é meu dever honrá-Lo.

27 de fev de 2011

O Amor de Cintia



Vou contar a minha história pra vocês...

Meus pais se separaram quando eu tinha uns dois anos, e minha mãe ficou comigo e com a minha irmã. Era uma época difícil, nós saíamos de casa 5 horas da manhã e só voltávamos à noite. Minha mãe se matava de trabalhar para poder sustentar a mim e a minha irmã.

Morávamos numa subida muito alta, e quando chovia, nossa minúscula casinha ficava cheia água e lama. Eu me lembro, que quando queria ajudar a minha mãe, ela me pegava no colo, me colocava na cama - ela sempre limpava primeiro nosso quarto - me dava um beijo na testa e fechava a porta. Nós sofremos muito naquela época, mas mesmo assim, gosto de lembrar de onde Deus nos tirou.

Quando eu tinha 6 anos, e minha irmã tinha 8, a tia na E.B.I nos falou sobre a Fogueira Santa, e dos milagres que ela proporcionava. Eu e minha irmã saímos de lá decididas a fazer nosso sacrifício. Nós vendemos bonecas, roupas, e ainda vendemos chicletes. Todo dia orávamos para Deus nos abençoar...

Eu não me lembro bem, mas acho que foi cerca de um mês depois, que nos mudamos para a casa mais linda que já vira na vida! Ela era enorme, e o quintal era tão grande, que dava para andar de bicicleta lá! Àquele foi um dos melhores momentos que já tive na vida, eu amava ver minha mãe sorrindo.

Hoje em dia, nós vemos muitas 'mães' que deixam seus filhos com parentes, e saem para baladas, haves, namoram com um e com outro... Mas minha mãe não era assim, ela se respeitava e queria nos dar exemplo.

Quantas vezes eu vi minha mãe chorar para que eu pudesse sorrir, quantas ela se sacrificou para que eu não pudesse sofrer...

Passaram-se os anos, e minha mãe continuava solteira, então, eu pedi a Deus, que enviasse alguém para minha mãe, para que a alegria dela fosse completa. E mais uma vez, o meu Pai, me ouviu e abençoou minha mãe. Hoje ela é completa!

Eu me lembro, que uma vez, perguntei a minha mãe porque ela tinha se separado do meu 'pai', e ela me disse, que ele era uma homem meio violento, e que bebia muito, e que por isso, não seria um bom pai... Olha aí, se sacrificou de novo por mim!

Hoje, eu faço de tudo para honrar minha mãe, e eu sei que não vi nem metade do sacrifício que ela fez por mim... Deus está em 1º lugar na minha vida, mas quem está em 2º é minha mãe.

Eu fico muito triste quando vejo filhos maltratarem suas mães, responderem, xingarem... Fico pensando: "Meu Deus, ela se sacrificou tanto para receber isso em troca?"

Querida leitora, trate seus pais com o devido respeito, faça questão de honrá-los, para que se orgulhem de você, e vejam, que todo o sacrifício que fizeram, valeu a pena!

Essa da foto, é a Cintia, a minha mãe, e diga-se de passagem, uma das mães mais bonitas do mundo, rs!